* Confira artigo sobre preconceito escrito por mãe de Rita

9 dez

PRECONCEITO

Muriel Elisa Távora Niess Pokk

Será que o preconceito nunca vai morrer? Li hoje, sobre a pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) realizada em 501 escolas públicas de todo o país, que 99,3% das pessoas demonstram ter preconceito com relação a portadores de necessidades especiais. Isso me fez voltar no tempo.

Lembrei que três meses depois de haver matriculado minha filha de quatro anos, no jardim da infância, recebi um telefonema pedindo que eu comparecesse à escola. Cheguei ali meio apreensiva. A diretora, com muito tato, pediu que eu não trouxesse mais Rita à escola, pois aquele estabelecimento não possuía professores especializados em síndrome de down.

Estamos em 2009, vinte e quatro anos se passaram desde aquele dia, mas noto que, apesar do tempo decorrido, a maioria das pessoas e escolas continua com o mesmo preconceito. Para não receberem alunos com necessidade especial, os colégios alegam falta de estrutura, tanto na parte de acessibilidade do edifício como na parte da adequada preparação, de seus funcionários e, pior de tudo, não fazem nenhum esforço para modificar essa situação. A não ser, é claro, quando coagidos pela Justiça.

Isso acontece pela ignorância de alguns mestres, diretores de escolas e pais de alunos não deficientes, normalmente com relação ao aluno com deficiência intelectual. Há, infelizmente, pais que não querem que seus filhos estudem ao lado desses alunos, porque receiam que essa convivência possa prejudicar seus filhos tanto na área intelectual como comportamental. Agem como se a deficiência fosse vírus extremamente contagioso.

Como teremos um futuro sem preconceito se esses pais colocam, desde a mais tenra idade, nos corações de seus rebentos, o preconceito? É necessário que pessoas preconceituosas comecem a olhar o mundo que os cerca com olhares diferentes; que permitam que o preconceito seja excluído de seus corações e que, acima de tudo, andem na mesma direção que as pessoas portadoras de deficiência. As escolas devem abrir, espontaneamente, suas portas ao aluno com deficiência. Elas devem compreender que a convivência entre alunos com e sem deficiência fará uma grande diferença: estes aprenderão a conviver, respeitar e “ver” que aqueles têm sentimentos e sonhos iguais aos seus.

Em contrapartida, os alunos com deficiência intelectual terão maior desenvolvimento ao conviverem com crianças sem deficiência. Até mesmo sem a orientação de um professor especializado, embora sua presença seja sempre recomendável, é possível, com boa vontade, ministrar aula para alunos portadores de deficiência intelectual, isso eu posso garantir, pois não sou formada e alfabetizei a minha filha.

As escolas precisam, para que o aluno se alfabetize, acima de qualquer outra exigência, ter em classe um professor auxiliar que seja muito paciente e dedicado, bem como dar ao aluno, depois do horário do curso, o reforço da aula dada naquele dia. Mudam os termos a serem usados: deficiente, portador de deficiência, pessoa com deficiência, mas não muda o mais importante – a conscientização de que todos temos defeitos e direitos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: